Segunda-feira, 11 de Agosto de 2008

Monstros - Parte III

 Encontrava-se num planalto, a meio caminho do cimo da montanha. Depois de três dias sozinha na montanha tentando descobrir onde se escondia o monstro, estava cansada e começava a ficar farta. A aventura não tinha tanto gosto quando estava só... Para mais, as provisões começavam a escassear e teria de caçar, o que ia reduzir o tempo de procura. 

A hora do pôr-do-sol estava próxima. Receava essa hora, era quando os gritos do monstro se ouviam. Na aldeia, não fora difícil de disfarçar, mas na natureza, era mais fácil de acreditar nas lendas que corriam acerca do monstro. E mais assustador... como que ligados aos seus pensamentos, os uivos fizeram-se ouvir. E mais perto do que estava sinceramente à espera. Dividida entre o medo e a curiosidade, avançou com precaução até que encontrou a origem os uivos. A descoberta fê-la estancar. 
Sentado num rochedo, à beira de um rio que corria entre as árvores, encontrava-se uma figura humana. Com a ligeira diferença que era uma figura humana de estatura enorme, com a braços enormes e peludos. Mas o que a fez estancar em vez de atacar a criatura é que esta chorava a plenos pulmões, dando largas a uma tristeza palpável a metros de distância. Sendo uma mulher de armas, habituada a lutas e a ter que se afirmar num mundo de homens, Ariana não estava habituada a chorar. Mas deu consigo a fazê-lo, mesmo sem querer, as lágrimas corriam sem as poder controlar... e pela primeira vez na sua vida, sem saber muito bem porquê, deixou-se ir, baixou as guardas e chorou. Chorou por todas as razoes e por nenhuma, pelas coisas que deviam ter acontecido e não haviam, pelas coisas que tinham acontecido e não deviam. E chorando, escorregou lentamente para o chão, encostou-se ao rochedo e deixou-se ficar. 
Torg voltou-se ao ruído inesperado e encontrou aquilo que não estava à espera. Que de vez em quando encontrasse heróis que o tentavam matar não o surpreendia, mas uma mulher que vinha e se punha a chorar era novidade. E precisamente por isso, não a atacou. Ariana, de seu lado, fez o mesmo. E dois seres, que deveriam ter sido inimigos, encararam-se perguntando-se se eram de facto inimigos. E cada um pôs de lado a natureza bélica por um instante e esse instante foi decisivo. 
Tiveram uma conversa que durou toda a noite. E quando o sol nasceu, Ariana sabia a triste história da vida de Torg, e este sabia a razão pela qual ela se tinha tornado guerreira. Mas desaparecida a razão, que ia ela agora fazer da sua vida? Foi esta a questão que ele lhe pôs. E ela, pouco segura (porque é sempre assim que nos sentimos quando começamos uma nova fase da nossa vida), respondeu com uma pergunta: “aceitas que comece uma nova aventura... contigo?” 

E foi assim que os aldeões deixaram de temer o monstro e que Ariana nunca voltou da montanha.

voado por Sem Asas às 11:50
link do post | voar | ver voos (2) | favorito
Segunda-feira, 4 de Agosto de 2008

Monstros - Parte II

Ele sentia-se sozinho. Tão sozinho... Nos belos dias de sol era ainda pior. Toda a natureza vibrava de prazer, mas ele escondia-se em sua casa, fechava a porta e tentava não recordar. Mas recordava... memorias de dias felizes perseguiam-no, faziam-no sofrer. Imagens fugidias, sons que vinham do passado e perduravam apenas o tempo suficiente de o fazer sofrer ainda mais. Ter mudado de morada não tinha ajudado. Fora viver para o outro lado da Montanha, sem resultado. De resto, da sua raça já não havia muitos e estavam demasiado dispersos para fazer face à ameaça do povo pequeno. Por isso, quando a sua mulher e o seu filho tinham sido mortos, ele nada fizera. Voltara as costas e mudara de sítio para não encontrar a mesma sorte.
Segundo as lendas do seu povo, gigantes e povo pequeno sempre se tinham dado se não bem, pelo menos amigavelmente. A Montanha era território de gigantes, o resto território do povo pequeno, pois estes multiplicavam-se mais depressa e precisavam de terras. Cada qual no seu território, sem problemas de maior. Até que um dia, um rei do povo pequeno inventou que os gigantes tinham raptado uma donzela. Obviamente, os gigantes não tinham interesse em donzelas que lhes davam pelos joelhos, por muito belas que fossem. Mas o povo pequeno levou isto a sério. E passou a considerar os gigantes como inimigos, e passou a ataca-los quando havia oportunidade. E foi ai que a população de gigantes, já de si não muito grande, começou a diminuir. Claro que eles ripostaram. Mas o que fazer? Mesmo sendo pequenos eles eram demasiados e onde um tombava outro tomava rapidamente o seu lugar. A solução fora refugiar-se mais profundamente na Montanha, cavando túneis e estabelecendo defesas, estabelecendo moradas de pedra.
Torg nascera numa dessas caves. Crescera lentamente, mas atingindo a altura de um gigante adulto encontrou uma outra gigante e formaram uma família. Nessa altura já havia poucos gigantes na Montanha, mas quando o primeiro filho nasceu, eles eram os únicos. Mas viviam felizes ainda assim. Ele tratava da sua horta (de onde retiravam o seu sustento) e caçava, ela tecia tecidos coloridos com os quais se vestiam. E fora num dia assim, pleno de sol, que o povo pequeno tinha aparecido. Torg tentou defender a mulher e o filho, mas uma vez mais estavam em desvantagem: eles eram demasiados. Viu a mulher sem assassinada sem piedade, por tentar defender o filho. Viu o filho falecer nos braços frios da mãe. E viu o sol desaparecer na linha do horizonte, quando pensava que estava a fechar os olhos pela última vez, esperando que a morte o levasse a ele também.
Mas não levou. Por alguma ironia do destino, ele ficara para trás. E vivia agora uma vida sem sentido, do outro lado da Montanha. E agora, quando eles vinham, matava sem pensar. Até ao dia em que a morte decidisse leva-lo finalmente para junto da sua família.

voado por Sem Asas às 15:48
link do post | voar | ver voos (2) | favorito

*Agosto 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

*links

*divagações recentes

* to sleep all the night...

* Tombos

* Do tempo passado na cozin...

* parvoíces da minha adoles...

* Hoje sonhei contigo

* FERIAS!!!!!!!

* 30 Ways To Learn To Love ...

* o fim do ano lectivo está...

* Aujourd'hui, je me fous l...

* Futebol, Festival e Fatim...

* e é assim, que no meio do...

* este blog, como a sua mag...

* o ritual da manhã

* Não devia ter feito isto,...

* De férias, de novo

* "Às vezes o amor não acab...

* Sonho

* "O lado triste de quando ...

* Dos milagres caseiros

* Curtas mas boas - Nelson ...

*divagações arquivadas

* Agosto 2017

* Julho 2017

* Junho 2017

* Maio 2017

* Abril 2017

* Março 2017

* Fevereiro 2017

* Janeiro 2017

* Dezembro 2016

* Novembro 2016

* Outubro 2016

* Setembro 2016

* Agosto 2016

* Julho 2016

* Junho 2016

* Maio 2016

* Março 2013

* Fevereiro 2013

* Novembro 2012

* Outubro 2012

* Agosto 2012

* Julho 2012

* Junho 2012

* Janeiro 2011

* Setembro 2009

* Agosto 2009

* Julho 2009

* Junho 2009

* Maio 2009

* Março 2009

* Fevereiro 2009

* Janeiro 2009

* Dezembro 2008

* Novembro 2008

* Outubro 2008

* Setembro 2008

* Agosto 2008

* Julho 2008

* Junho 2008

* Maio 2008

* Abril 2008

* Março 2008

* Fevereiro 2008

* Janeiro 2008

* Dezembro 2007

* Novembro 2007

* Outubro 2007

* Setembro 2007

* Julho 2007

* Junho 2007

* Abril 2007

* Março 2007

* Fevereiro 2007

* Janeiro 2007

* Dezembro 2006

* Novembro 2006

* Outubro 2006

* Setembro 2006

* Julho 2006

* Junho 2006

* Maio 2006

* Abril 2006

* Março 2006

* Fevereiro 2006

* Janeiro 2006

*pesquisar

 
blogs SAPO

*subscrever feeds