Sexta-feira, 2 de Dezembro de 2016

Hello Paris !

hello romantic weekend 😊

voado por Sem Asas às 20:18
link do post | voar | favorito
Quinta-feira, 1 de Dezembro de 2016

Isto de estar em casa, dá-me para ideias parvas...

ou então não, é ver!

Decidi experimentar pela primeira vez fazer uma máscara de cabelo.

pequeno parenteses para aqueles que nao sabem o que é. Gaja que é gaja, há-de sempre encontrar alguma coisa que não goste no seu próprio corpo / cabelo. E então, parece que desde tempos ancestrais se deu para criar máscaras para aplicar na pele / cabelo. Isto é, pegar em vários ingredientes - pode ser azeite ou um outro óleo, fruta / legumes, areia, e sei lá mais o quê. Fazer uma mixórdia disso tudo e tratar de aplicar lá onde se vê o defeito, na esperança que ele (o defeito) vai desaparecer.

 

Como eu sou mais para o natural (ou penso que sim mas não sou, mas isso não é para aqui chamado), decidi fazer uma máscara com óleo de coco e abacate para o cabelo. Sim senhores, que boa ideia.

Lá peguei num abacate que estava descansadinho da vida no frigorífico, vá de o cortar e mandar para o copo e misturar com a varinha mágica, juntar uma colher de óleo de coco, misturar tudo de novo e tcharam!, a mixórdia esta pronta.
Depois de lavar o cabelo, é de pôr a mixórdia na cabeça e massajar delicadamente e passar pelo cabelo também. Esperar meia-hora, e lavar com água quente.

 


Ora bem... nao sei de onde me lêem, mas cá em casa esta frio. Quero eu dizer, nao está frio frio. Mas lá fora é tipo Outono com o Inverno à porta, e dentro de casa está lá para os 18-19°C. Isto quer dizer que o óleo de coco está a modos que congelado. A mixórdia nao é assim tão fácil de aplicar, mas lá consegui. Até que cheira bem (um ponto positivo para a pessoa que inventou isto). E agora estou aqui com a mixórdia na cabeça, com um penteado que ninguém me verá assim, à espera que a meia-hora passe.
Depois digo o resultado!

 

 

 

 

voado por Sem Asas às 11:22
link do post | voar | favorito
Terça-feira, 29 de Novembro de 2016

Andei a reler este meu blog/estaminé

assim como os outros 4 blogs que já me deu na telha escrever.

Tanta coisa. Tantas memórias. Tanto orgulho, mesmo assim. Tanto caminho percorrido.



Se estiverem interessados, eis as moradas, por ordem cronólogica:

o grande mas infelizmente falecido Jam Session. Se há alguém que trabalhe nisto dos blogs e tenha possibilidade de o encontrar, seria eternamente agradecida! Foi onde dei os meus primeiros passos na blogosfera, entre 2006 e 2009  acho eu. Blog escrito a 12 mãos (ena, tantas mãos!!), que um estrôncio qualquer apagou. Ninguém percebeu quem dentro do grupo o apagou, seja quem for, deixo aqui a mensagem: 'estrôncio!!!'. Deu origem também a um podcast semanal (que se pode ainda encontrar no iTunes). Muito, mas muito bom!

http://teoriasdopico.blogs.sapo.pt - entre Fevereiro e Setembro 2006. A ideia era escrever os posts mais picantes que me davam na cabeça. Não foi um franco sucesso e acabou rapidamente.

http://thomaseana.blogspot.fr - yep, um blog que tinha a intenção de ser o volume II do Sem Asas. Começou um pouco antes do meu casamento (Março 2010), a ideia era escrever a meias com o Thomas. Às tantas, acabei por perceber que eu era a única a escrever, e voltei para o Sem Asas; de facto não tinha lógica continuar a escrever sozinha num blog que era suposto ser a dois. Premonição? O blog pára em Outobro de 2011.

http://semasasparavoar.blogs.sapo.pt - exactamente 4 posts: 3 em Junho 2012 et um só em Agosto 2016 (acho que foi erro de edição).  Pensei que seria (mais uma) continuação depois do blog anterior. Também não foi um franco sucesso.

 

Pronto, é só isto.

 

 

 

voado por Sem Asas às 20:39
link do post | voar | favorito
Segunda-feira, 21 de Novembro de 2016

Can love really last that long?

numérisation0001.jpg

Foto tirada no dia do aniversário de 50 anos de casamento dos meus avós.

O amor  dura mesmo? Eu quero acreditar que sim. E que sou capaz também eu de o fazer durar. Quero acreditar que o 'e foram felizes para sempre' também me pode acontecer a mim. Sei que não é coisa que aconteça num estalar de dedos, debaixo da sombra da bananeira.  Aliás, não sou pessoa de gostar de facilidades. Eu gosto de desafios.

Mas por vezes, dou por mim a duvidar. Não que o amor dure - vi et vejo exemplos de casais que duram e duram, melhor que pilhas Duracell. Mas que eu tenha essa capacidade, ou que o mereça, é aí que a coisa vacila. Enfim, devaneios desta manhã... andava em arrumações e vi esta foto.

(Que saudades dos meus avós. Da minha avó tão doce. Do meu avô que não exprimia muito as emoções, mas que tinha um coração enorme. Do peixinho cozido, fresco que só ele, que nunca mais comi um assim tão bom. Do quintal, com a árvore enorme de clementinas (eram clementinas? acho que sim) e as flores plantadas pela minha avó. Do poço. Da torneira que dava água fresquinha, nem era preciso entrar na casa. No terraço por cima da cozinha, que quando éramos pequenas a avó tinha medo que caíssemos de lá de cima. Do vão por baixo das escadas do terraço, que fingíamos que tinha lá um monstro. Quero tanto lá voltar, mas nem isso é possível: a casa foi comprada depois da morte dos meus avós e deve ter sido completamente arrasada para construir melhor. Restam as memorias, agridoces.)

voado por Sem Asas às 08:42
link do post | voar | favorito
Domingo, 20 de Novembro de 2016

Hoje é assim

Sinto uma nulidade completa como mãe. Não o sou (e é este o meu mantra), mas esta noite é assim que me sinto...

voado por Sem Asas às 20:37
link do post | voar | favorito
Quinta-feira, 17 de Novembro de 2016

a cena do gorro

comecei a falar desta cena aqui.
Este fim de semana, vi que o Alexandre tinha um recado na caderneta da escola (aqui em França, chama-se o 'Cahier de Liaison' (caderno de ligação entre a casa e a escola)).

A professora dele, Mme. Tilhet, escreveu que o comportamento do Alexandre tem vindo a degradar-se. Responde mal aos adultos, atira brinquedos no corredor (e atingiu um professor) e corta o gorro durante a classe, em vez de fazer o trabalho dele.
Ora bem.

Enquanto possa aceitar o 'responder mal' (não acho que um adulto seja todo poderoso e que a criança tenha mais é que obedecer, depende das situações) e que acidentes podem acontecer (mas é melhor não atirar nada, não sabes onde vai cair)... a coisa do 'vai de pegar na tesoura e cortar o gorro na sala de aula', isso não.

Já tivemos uma conversa sobre o cortar a roupa (yep, de vez em quando ele corta a roupa dele. Diz que quer ser estilista). Mas o gorro? Isso é suposto proteger-te o frio, não o vais cortar! E ainda por cima ficou na escola, claro está. 2° feira foi à escola sem gorro. Ao chegar a casa, diz-me que a professora deitou o gorro fora. 3° feira, ida à escola sem gorro de novo - eu já disse que por cá faz frio às 8h da manhã? É que faz mesmo. E eu que estava mais calma, lá lhe pedi mais explicações.

Afinal, a coisa foi um pouco diferente do que a professora disse.

O Alexandre já tinha acabado o trabalho dado. Na sala de aula, uma vez que acabam o trabalho, podem fazer um desenho ou ir buscar um livro para ler. Enfim, fazer uma actividade calma, enquanto os outros alunos acabam. E o Alexandre puxa o gorro do saco e da tesoura e vá de cortar as 'tranças' do gorro. Isto porque eu comprei-lhe um gorro que tapa as orelhas também (porque faz frio!!), só que tem uma espécie de cordão com um pompom de cada lado. Quando comprei, ele queria só esse gorro. Mais nenhum, porque é tão giro. E era. Só que os amigos dele gozaram. E o resultado já se sabe.

Portanto, 3° feira de manhã lá lhe fui comprar um outro. Escolhido por mim desta vez. E um que não suscite gozos e risos.

É este tipo de coisas que me faz compreender o meu filho, a sua personalidade e o que se passa na sua vida quando eu não estou lá.

 

voado por Sem Asas às 09:01
link do post | voar | favorito

Sim ou sopas ?

Acordo às 5h de manhã com o choro do Gabriel. Que a pilha da luz de presença tinha acabado (e portanto não funcionava mais). Como a mãe imperfeita que sou, não tinha reparado na véspera. E em consequência, não havia pilhas carregadas para o ofício. Disse-lhe que acendia a luz do corredor e com a porta entreaberta ia dar ao mesmo. Mas não, parece que não. E daí seguiu a maior crise que já vi. Seguida de um xixi na cama, coisa maravilhosa que já não acontecia há alguns meses. E crise ainda maior. Que não quer ir à casa de banho, para terminar o que começou tão bem. Que não quer que eu mude a cama. Que não quer os novos lençóis. Como o colchão estava molhado (a proteção que eu ponho foi ineficaz), toca de dormir no chão. Mas não quer. Agora ja dorme, finalemente (no chão). E eu estou para aqui a perguntar-me se durmo a meia-hora que me resta ou se fico já levantada....e não consigo fazer uma coisa ou a outra. São vidas!

voado por Sem Asas às 04:49
link do post | voar | favorito
Quarta-feira, 16 de Novembro de 2016

pessoas importantes

Acabei de reparar num coisa interessante:

no meu telefone, as pessoas importantes estão identificadas no repertório só pelo nome. Sem nome de família. Porque não é preciso!

voado por Sem Asas às 17:34
link do post | voar | favorito
Segunda-feira, 14 de Novembro de 2016

...

20161114_211743.jpg

 

Hoje o meu filho mais velho faz 7 anos.
7 anos.


Tanto caminho feito desde o momento que o acolhi nos meus braços.

Tantos erros feitos.

Tanta aprendizagem (para mim e para ele). Ele é a minha cobaia e eu sou a dele. Construímo-nos assim, cada dia um bocadinho mais. Aprendo a conhecê-lo, acabo por me conhecer a mim.

Tanta coisa que eu queria fazer (ou deixar de fazer).

Tanta coisa ainda por explorar.

Tanto amor que tenho ainda para dar.  Mostrar-lhe que é um rapaz maravilhoso, tão cheio de energia e amor pelos outros, mesmo mesmo como eu o imaginava quando ainda estava dentro de mim. Dizer-lhe que tem tanto potencial. Ele tem medo dos outros também e dos olhar deles (ora bolas, foi logo herdar isso de mim). Como a cena do gorro. (depois eu conto aqui no blog). Quer ter amigos, mas escolhe-os ao dedo e depois defende-os ferozmente. Mesmo quando eles não merecem. Tem a cabeça dura, e ainda bem, é preciso para sobreviver neste mundo de loucos.

Tanto medo que tenho por ele também. Que não digo, e escondo onde posso. Porque sei o quanto o mundo lá fora pode ser mau e vicioso. Tanto quanto ele pode ser bom e maravilhoso. Medo que ele  conheça o lado escuro e que se perca nele. Medo que eu morra e não possa estar mais ao seu lado, porque acidentes estúpidos acontecem todos os dias. Medo que um dia ele já não queira os meus braços, porque crescer e querer ir além faz parte.


E é por isso que enquanto posso o guardo aqui nos meus braços de mãe. Que lhe dão carinho e o protegem ao mesmo tempo das maldades do exterior.

Quero tanto que ele saiba que pode sempre, sempre contar comigo. Que o meu maior desejo é que eu seja a primeira pessoa em que ele pensa quando precisar de carinho e proteção e de falar com alguém, e que depois pode partir e ir explorar e aprender de novo.
Porque quando ele precisar, eu estarei lá.

7 anos. É o início de uma nova era.

voado por Sem Asas às 22:55
link do post | voar | favorito

Comecei finalemente a jogar a este jogo...

AC.jpg

 Simplesmente genial. A sério. é coisa de me fazer esquecer de ir buscar os miudos à escola (quase).

voado por Sem Asas às 07:26
link do post | voar | favorito
Quinta-feira, 10 de Novembro de 2016

o acordar, esse momento tão doce na vida de uma família

Tenho a certeza que há pais perfeitos.

Os quais se levantam cedo da cama, a tempo de se preparar tranquilamente, beber un café enquanto lêem o jornal, depois de terem feito meia-hora de desporto. Que aproveitam o levantar cedo para admirar as estrelas que brilham ainda no Céu e, quiçá, aproveitar para ir acordar o/a mais velho/a para que ele/a veja as estrelas também. E talvez um pequeno quarto de hora de meditação, se houver tempo - e claro que há, pois são organizados, e claro está, perfeitos.

 

E aí sim, depois de estarem bem acordados e muito bem dispostos, vão acordar os herdeiros. Quase de certeza, com uma música suave e um despertador simulador de aurora (sim, sim, isso existe). Eles - os herdeiros - acordam de bom humor, o cabelo já bem penteado, vestem a roupa que foi escolhida antes de se deitarem na véspera. Tomam um pequeno-almoço completo, com pão acabado de fazer, sumo de fruta fresca e leite biológico. Os lanches ja estão prontos na mochila, assim como o saco para a actividade extra-curricular da tarde.
Tudo se passa na calma, ordem e boa disposição. Talvez tenham um tempinho para avançar uns quantos movimentos no jogo de xadrez que dura desde uma semana.

E quando está na hora de ir para a escola / colégio privado, escolhido ao dedo e depois de ter passado uma entrevista exclusiva com o director (que é de facto, um amigo de infância de um amigo da família), as crianças preparam-se tranquilamente e esperam à porta que os pais terminem também eles de se preparar para sair, enquanto conversem entre eles sobre um assunto altamente filosófico ou sobre a actualidade política. Instalam-se no carro (também ele escolhido a dedo!), sem problema algum. Ou vão a pé para a escola. Ao portão, um beijo de bom dia, um sorriso, e as crianças vão juntar-se aos seus colegas de escola, com os quais vão continuar a falar da actualidade política.

 

 

Isto NÃO é o que se passa em minha casa.

Sobretudo esta semana, com o fim dos horários de trabalho. Ainda me estou a adaptar, e claro que eles também.

 

O levantar é um pouco aléatorio, dependendo o meu degrau de cansaço e da hora a que me deitei ontem. Não é um bom sistema, mas é assim. Um duche rápido (mesmo mesmo rápido, só para acordar). Entretanto já abri a porta do quarto deles para começarem a acordar. 3minutos depois, saio da casa de banho, e eles não mexeram nem um dedo. Volto a dizer que é hora de acordar. Um deles resmunga. Acendo a luz e digo mais forte "é hora de acordar!!". Visto-me rapidamente e ainda a apertar o cinto vou de novo ao quarto deles, e volto a dizer, que é hora de acordar. Isto pode-se passar entre 5 a 20 minutos até que eles se dignem a levantar-se. Mais o vestir. 'Não quero a camisola com este boneco', 'quero ir à escola assim' (mangas curtas, portanto)', 'Não quero estas calças', mais um fiado de outras cenas semelhantes.

Pequeno almoço. Cereais, leite, sumo de fruta (esta é a versão quando temos menos tempo). Sirvo-os 'Não, eu quero servir-me sozinho!!'. Pensar que é importante também aprender a independência, mas agora não há tempo nem pachorra. Dizer-lhes que temos pouco tempo para o pequeno-almoço, que temos de nos despachar. Eu acabo, digo-lhes que têm que acabar também, que já estamos atrasados para a escola. Primeiro choro do Gabriel, que não comeu quase nada porque estava a olhar para as moscas. O Alexandre acaba, digo-lhe para se levantar o ir pôr o casaco. Eu ponho os sapatos, o casaco, lavo os dentes. O Gabriel continua a chorar diante os cereais. 'Porra pá, pára de chorar e aproveita para comer, não?' O Alexandre está pronto, mas não vi que ele tinha decidido pôr os ténis com atacadores. Que ele não sabe atar. Gabriel sai da mesa, e ponho-lhe o casaco. 'Não quero as luvas, nem o gorro!' (o cachecol ficou esquecido ontem na escola). Maravilha. Estamos prontos. Abro a porta para sair, o Alexandre fica em casa porque quer fechar o casaco. Claro, mas podes andar ao mesmo tempo, não? Continuo a ralhar com eles nas escadas, óptimo, agora toda a gente do prédio sabe a mãe imperfeita que eu sou.

No caminho da escola (a pé) vejo que temos menos de 10 minutos para chegar à escola. O caminho faz-se em 5... se não se parar. O Gabriel chora, diz que tem frio. Pois, por cá, de manhã ja faz frio, lá para os 3°C. Normal, estamos em Novembro. E é melhor de sair de casa com casaco, gorro, luvas e cachecol. Que ele não quis pôr. Ponho-lhe o gorro do casaco, que funciona como um gorro qualquer. Mãos no bolso, mas anda mesmo assim. O Alexandre, tem uma aversão impressionante de andar ao meu lado. É coisa de andar ou a 2 metros diante, ou a arrastar os pés atras de mim. O Gabriel chora, que agora porque quer parar e descansar (só se passaram 3min desde que saímos). Suspiros, muitos suspiros. Acabamos por chegar à escola, ufa. beijinho cada um, passa um bom dia.

 

E agora que estou em casa, estou para aqui a pensar que sous de facto uma mãe imperfeita. Mas é assim que sou. Estou em construção, ao mesmo tempo que eles. Mas gosto de imaginar que um dia, o acordar por cá será um momento doce e sereno, e não um corrida contra o relógio. Talvez quando eles tiverem mais de 20 anos e já tiverem saído de casa!

 

voado por Sem Asas às 08:00
link do post | voar | favorito
Terça-feira, 8 de Novembro de 2016

Mais uma música fantástica

 

 Esta música... mistura perfeita de uma das minhas canções preferidas de Adèle e Bruno Mars, um dos artistas que eu descobri recentemente e que adoro.

E isto é simplesmente lindo. Gosto. Adoro. Estou apaixonada por este vídeo!

voado por Sem Asas às 08:09
link do post | voar | favorito
Segunda-feira, 7 de Novembro de 2016

É hoje

Hoje foi o meu último dia.

Dia de arrumar a secretária,  dia de dar os últimos conselhos à pessoa que toma o meu lugar. Dia de encher o cartão que estava ali no canto à espera deste dia (enorme, mas não suficientemente grande para guardar tudo). Dia de stressar porque mesmo não sendo o meu problema, só tive 3 dias para formar quem me substitui, quando no mínimo seria preciso 7. ou mesmo vá, 2 semanas inteirinhas. Dia de dizer adeus, o mundo é pequeno, não chora que vamos acabar por nos cruzar de nova nas estradas da vida. O último dia.

 

Passei o fim de semana (mais coisa menos coisa) a cozinhar e a preparar a festa que dei na empresa, ao final do dia - com a devida autorização do grande chefe. Estava um bocado nervosa, será que o pessoal vem todo? Todas as pessoas que eu aprecio, que tenho pena de deixar e aquelas que eu não aprecio mas faço como se sim. Será que o que eu cozinhei está bom? (estava sim senhor). Será que é suficiente? (sim, e sobrou para os meus moços provarem à noite, que era o que se queria). Será que vai correr tudo bem? 

 

Claro que correu.  Claro que veio toda a gente, menos uma certa pessoa que de qualquer maneira não a posso ver nem pintada. Claro que também tive que arrumar tudo muito rapidamente, porque se aproximava a hora limite para ir buscar os pirralhos à escola.

 

E deram-me prendas lindas e uma carta com mensagens dos meus coleguas. Bom, tão bom!

 

Não sei como se chama este sentimento.

É  uma mistura de alegria do novo começo, pena de deixar as pessoas que deixo para trás, medo do desconhecido, excitação pela aventura que começa de novo. Um pouco como quando me vim embora de Portugal.

Não chorei quando me despedi dos meus colegas. Mas choro agora que escrevo estas linhas!... Mesmo que eles (os meus colegas) não leiam este blog... God bless you all!

 

 

voado por Sem Asas às 21:48
link do post | voar | favorito
Segunda-feira, 31 de Outubro de 2016

Semanas de 4 dias, porque sim

Esta semana tem 4 dias (de trabalho). E 3 dias de repouso.

A semana que vem, tem 4 dias de trabalho (e 3 dias de repouso, com fim de semana grande).

A semana que vem, eu só trabalho segunda (pois será o meu abençoado último dia de trabalho).

Vou pois ter um só dia de trabalho, 3 de repouso e 3 com os meus pirralhos, durante um fim de semana grande.

Isto sim vai ser festa!!

 

 

voado por Sem Asas às 08:10
link do post | voar | favorito
Terça-feira, 25 de Outubro de 2016

As minhas botas de chuva

Lindas que só elas, cá estão!!!

20161025_175935.jpg

 

 

voado por Sem Asas às 18:00
link do post | voar | favorito

*Hora de Paris

*Dezembro 2016

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

*links

*divagações recentes

* Hello Paris !

* Isto de estar em casa, dá...

* Andei a reler este meu bl...

* Can love really last that...

* Hoje é assim

* a cena do gorro

* Sim ou sopas ?

* pessoas importantes

* ...

* Comecei finalemente a jog...

* o acordar, esse momento t...

* Mais uma música fantásti...

* É hoje

* Semanas de 4 dias, porque...

* As minhas botas de chuva

* Ando tão cansada que nem ...

* os meus miúdos estão de f...

* Vamos la falar de outra c...

* Explicações

* This is the end (not yet,...

*divagações arquivadas

* Dezembro 2016

* Novembro 2016

* Outubro 2016

* Setembro 2016

* Agosto 2016

* Julho 2016

* Junho 2016

* Maio 2016

* Março 2013

* Fevereiro 2013

* Novembro 2012

* Outubro 2012

* Agosto 2012

* Julho 2012

* Junho 2012

* Janeiro 2011

* Setembro 2009

* Agosto 2009

* Julho 2009

* Junho 2009

* Maio 2009

* Março 2009

* Fevereiro 2009

* Janeiro 2009

* Dezembro 2008

* Novembro 2008

* Outubro 2008

* Setembro 2008

* Agosto 2008

* Julho 2008

* Junho 2008

* Maio 2008

* Abril 2008

* Março 2008

* Fevereiro 2008

* Janeiro 2008

* Dezembro 2007

* Novembro 2007

* Outubro 2007

* Setembro 2007

* Julho 2007

* Junho 2007

* Abril 2007

* Março 2007

* Fevereiro 2007

* Janeiro 2007

* Dezembro 2006

* Novembro 2006

* Outubro 2006

* Setembro 2006

* Julho 2006

* Junho 2006

* Maio 2006

* Abril 2006

* Março 2006

* Fevereiro 2006

* Janeiro 2006

*pesquisar

 
blogs SAPO

*subscrever feeds